RCB/TuneIn
Quinta, 24 Set 2020
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
LAR TEM QUE PAGAR INDEMNIZA??O
O lar D. B?rbara Tavares da Silva, em Penamacor, vai ter que pagar uma indemniza??o superior a 40 mil euros a um antigo enfermeiro da institui??o.
Por Paula Brito em 22 de Jan de 2009

A decisão foi tomada pelo tribunal de Penamacor e a história, como todas as histórias, tem duas versões.

A versão da oposição é que a maioria perseguiu politicamente o enfermeiro em causa, por este ter apoiada a lista da "Coligação Todos por Penamacor" nas últimas eleições autárquicas. Uma situação "inadmissível" considerou Vítor Gabriel na última reunião pública do executivo. Segundo o vereador da oposição "o enfermeiro Francisco" fazia parte da equipa contratada pelo lar D. Bárbara Tavares da Silva para assegurar o Serviço de Atendimento Permanente no centro de saúde "e foi dispensado depois de ter apoiado a lista da coligação nas autárquicas". Segundo Vítor Gabriel trata-se de um exemplo de como esta maioria "ao longo dos últimos 7 anos dividiu o concelho em dois: os que apoiam a maioria e os que não apoiam".

A versão da maioria é que existe "maldade" na interpretação dos factos. Segundo Domingos Torrão "havia de facto um contrato e um acordo com os profissionais que prestavam serviço no centro de saúde de Penamacor, para serem eles a assegurar o SAP" o que aconteceu, segundo o autarca, "foi que a partir do momento que o enfermeiro em causa deixa de trabalhar no centro de saúde de Penamacor para ir para Vila Velha de Ródão, esse acordo deixou de ter efeito".

Mas esse não foi o entendimento do enfermeiro que levou o assunto à barra do tribunal e ganhou a acção obrigando o lar D. Bárbara Tavares da Silva ao pagamento de uma indemnização superior a 40 mil euros. O lar já recorreu da sentença porque considera que "a questão foi mal colocada" mas independentemente das questões laborais e judiciais, para Domingos Torrão há neste caso "um oportunismo político por parte da oposição, porque se o presidente do lar não fosse o presidente da câmara as coisas teriam decorrido de forma diferente". 

O lar aguarda pelos resultados do recurso e não coloca de parte um acordo com o enfermeiro em causa.   


  Redes Sociais   Facebook

2007—2020 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados