RCB/TuneIn
Segunda, 08 Mar 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
AUDITORIA EM CURSO
Rádio Cova da Beira
O ministério da saúde está a realizar uma auditoria interna para verificar se a liquidação dos medicamentos junto das para os reformados dos lanifícios é uma opção menos onerosa para os cofres do estado do que o posterior pagamento dos reembolsos aos utentes.
Por Nuno Miguel em 19 de Dec de 2012

Outras da categoria:

A medida foi tomada na sequência dum conjunto de reuniões entre o sindicato têxtil da Beira Baixa e o secretário de estado da tutela. O resultado da autoria vai ser conhecido no próximo mês de Janeiro mas Luís Garra refere que "há o compromisso por parte do secretário de estado de repor a situação inicial caso se comprove que a metodologia que nós defendemos não tem custos acrescidos para o estado". 

Até ao passado mês de Agosto os reformados dos lanifícios levantavam os medicamentos gratuitamente nas farmácias, cabendo depois ao ministério o pagamento da comparticipação, mas a partir de Setembro que esse modelo deixou de ser usado para as comparticipações serem pagas directamente aos utentes. Para o presidente do sindicato têxtil da Beira Baixa, as reuniões com a estrutura do ministério da saúde já permitiram introduzir algumas alterações positivas ao sistema "por um lado o documento comprovativo que é entregue ao reformado já tem escrito o valor do pedido do reembolso, que nera omisso, e por outro lado foram accionados os mecânismos apara a realização desta auditoria".     

Mas independentemente dos resultados da auditoria, Luís Garra garante que o sindicato têxtil não vai abdicar da sua posição inicial "para nós é determinante que o pagamento seja feito às farmácias e não aos utentes; terá de ser o ministério a adoptar medidas de moralização do sistema que permitam combater eventuais abusos". 

No inicio de Fevereiro deve ser agendado um novo plenário de reformados dos lanifícios, depois de conhecidos os resultados desta auditoria, para definir a realização de formas de luta caso as pretensões do sindicato não sejam aceites pelo ministério da saúde.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados