RCB/TuneIn
Sexta, 05 Mar 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
NOVA PENTEAÇÃO FOI PROCESSO MARCANTE
Há 35 anos à frente do Sindicato Têxtil da Beira Baixa, Luís Garra diz que o processo da Nova Penteação foi o mais marcante da sua carreira de dirigente sindical.
Por Paula Brito & Paulo Pinheiro em 24 de Aug de 2012
Em entrevista ao programa “Flagrante Directo” da RCB, Luís Garra escolheu este processo como o mais marcante de sempre “pelos métodos recambolescos que o envolveram, pelas formas de sabotagem que lhe estiveram subjacentes e porque os trabalhadores da Nova Penteação eram um farol no sector dos lanifícios, quando eles se disponibilizavam estava garantido o êxito de qualquer luta”.   

Localizada no parque industrial do Canhoso, a empresa foi adquirida em 2003 pelo empresário Paulo de Oliveira. Mas só quatro anos depois, em 2007, é que transitou em julgado. Uma situação que ficou também a dever-se aos sucessivos recursos que um dos credores, Rui Cardoso, proprietário da Beiralã, apresentou em diversas instâncias judiciais. A unidade industrial tinha 460 trabalhadores a quem, na altura foram pagas todas as indemnizações devidas.

A empresa, que entretanto adoptou o nome de Tessimax, ficou a laborar com cerca de 250 trabalhadores. Um acordo alcançado entre o sindicato e o empresário que foi muito criticado mas que Luís Garra ainda hoje considera ter sido a melhor opção “se eu não tivesse contribuído para esse acordo, teria sido acusado de sabotagem ao processo negocial, como contribuí, fui acusado de estar feito com o Paulo de Oliveira que até me deu BMWs , enfim é morto por ter cão e morto por não ter”.  

Para o presidente da direcção do sindicato têxtil da Beira Baixa a empresa só pode ter sido alvo de sabotagem “uma empresa que foi a primeira dos lanifícios no país, que certificava qualidade, de repente entra em colapso financeiro, só pode ser sabotagem”.  

Por outras razões a empresa, hoje com o nome Tessimax, continua a ser motivo de polémica e arrastar processos em tribunal como aquele que opõe o empresário à câmara da Covilhã numa contenda sobre a legalização de algumas obras realizadas no edifício.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados