RCB/TuneIn
sábado, 01 out 2022
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
CULTURA
PALMILHA DENTADA NO TEATROAGOSTO
Esta noite, pelas 22:00H, o espaço Gardunha Viva (Fundão) recebe mais um espectáculo do festval TeatroAgosto. O Teatro da Palmilha Dentada apresenta "Dimas e Gestas - musical para cricificados".
Por Paulo Pinheiro em 24 de Aug de 2012

Dimas, o bom ladrão, e Gestas, o mau ladrão, aguardam a chegada de um terceiro elemento que se adivinha que virá, pois há um espaço livre entre as cruzes onde os dois estão crucificados. Enquanto aguardam, as personagens vagueiam pelas memórias da sua vida, pelas opções que tomaram e pelas oportunidades que perderam. Afinal como chegaram ao Gólgota?

Segundo o evangelho de Lucas, Cristo foi crucificado no meio de dois ladrões ou malfeitores: “E também conduziram outros dois, que eram malfeitores, para com ele serem mortos.
E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. […] E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.
Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação?
E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez.
E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.
E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.”
 
Mas será que esta é a verdadeira historia? Claro que não. À luz das mais recentes evoluções da psicologia forense acreditamos que Dimas era na verdade um malandro, bem disposto é certo, um bom malandro, mas não seguramente um bom ladrão. Era um pintas. Um mentiroso compulsivo. Aliás, quem senão um oportunista diria a Cristo: - “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino”  Já o pobre do Gestas mais não era que um pai de família que fruto de um desemprego prolongando e da perseguição da usura a que foi obrigado a recorrer, mais solução não teve que enveredar pela profissão e ladrão. Ladrão de pouca monta, ladrão de pão. Não foi blasfémia, foi súplica sentida: - “Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.”

Texto e encenação de Ricardo Alves
Interpretaçãode Ivo Bastos, Nuno Preto e Rodrigo Santos
Direcção plásticade Sandra Neves
Músicas originais e sonoplastia de Rodrigo Santos
Desenho de luz e fotografia de cenade Pedro Vieira de Carvalho
Cartaz de Catarina Felgueiras
Produção executivade Adelaide Osório

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: ESTE

 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2022 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados