RCB/TuneIn
Quarta, 19 Jan 2022
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
DESPORTO
BENFICA E C. BRANCO 1 SOURENSE 0
Justi?a chega ao cair do pano Com o golo a ser apontado em cima do minuto noventa por interm?dio de Daniel Fernandes, a equipa albicastrense arrecada mais tr?s pontos e continua no encalce do l?der Sertanense. A turma de Soure valorizou e muito a vit?ria, justificando os pontos conquistados nas ?ltimas jornadas.
Por João Perquilhas em 07 de Dec de 2008

Entrando muito fortes na partida, os comandados de Nuno Fonseca cedo deram mostras de querer rectificar o resultado da última ronda. Logo no primeiro minuto o golo esteve à vista quando Miguel Vaz serviu Daniel Fernandes na direita, e este cruzou para Cunha, já em desequilíbrio, errar o alvo por muito pouco cabeceando a rasar a trave. Pouco depois os mesmos intérpretes voltavam a semear o pânico na defensiva forasteira, mas desta feita seria Gonçalo Guerra a rematar ao lado depois de bem servido de calcanhar por Cunha.

O Sourense queria mas não conseguia responder à altura e só aos 16`Hélder Cruz foi chamado a intervir para segurar um cabeceamento complicado de Xano.

 Dois minutos depois Miguel Vaz de livre directo fazia estremecer a barra da baliza de Nelson, e na recarga, Ricardo António desperdiçou incrivelmente, rematando ao lado.

A partida entrou depois numa fase de maior equilíbrio, com os forasteiros a juntarem mais as suas linhas, conseguindo assim afastar o perigo da sua baliza, ao mesmo tempo que se acercavam mais constantemente da baliza dos da casa. A um minuto do intervalo Hélder Cruz foi providencial ao defender um cabeceamento com selo de golo por parte de Garcês, e o intervalo chegava com o nulo penalizador para o Benfica da Beira Baixa.

A segunda metade foi diferente. O Sourense surgiu mais forte, mais consistente e as dificuldades para os donos do terreno aumentaram.

Aos 49`, Gonçalo Guerra com um chapéu bem tentou dar vantagem à sua equipa mas seria a turma visitante a pegar nos cordelinhos da partida. À passagem do minuto 51 Garcês surgiu isolado e forçou o guardião Hélder Cruz a defesa de recurso com os pés, e aos 60`foi a vez de um forte remate de Xano levar muito perigo à baliza dos da casa.

O jogo era agora de parada e resposta e o golo poderia acontecer em qualquer das balizas. Contudo, na zona de finalização os de Castelo Branco eram mais mordazes e se Ricardo António desperdiçou um golo aos 72`, também o seu companheiro Sordo, isolado, rematou cruzado ao lado da baliza de Nelson. Para os visitantes era mais difícil criar lances de golo muito por culpa da boa organização colectiva albicastrense, mas repito, qualquer equipa poderia marcar a todo o momento, tal a quantidade de lances numa e noutra área.

E foi precisamente o que aconteceu em cima do minuto noventa. O Benfica ganhava o terceiro canto praticamente consecutivo e Daniel Fernandes no meio do aglomerado de jogadores, elevou-se mais e melhor que toda a gente e cabeceou certeiro para o fundo das redes de Nelson. Foi a explosão de alegria para as hostes caseiras que rejubilavam com o tento alcançado tão peto do final. Os três minutos de compensação dados pelo árbitro da partida foram inteligentemente geridos pelo Benfica, pelo que a vitória lhes assenta que nem uma luva.

A arbitragem de Nuno Martins e seus pares não teve qualquer influência no desfecho da partida, mas na primeira metade chegou a ser irritante especialmente no capítulo disciplinar.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2022 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados