RCB/TuneIn
Quarta, 11 Dez 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
COVILH? PRESTA CONTAS
Assembleia municipal da Covilh? aprovou por maioria as contas da c?mara municipal referentes ao ano passado.
Por Paula Brito em 30 de Apr de 2012

A bancada da CDU votou contra por discordar dos critérios e prioridades da maioria. Vítor Reis Silva apontou alguns dos pecados que o PCP vê nos documentos como é o caso do aumento de impostos cobrados directa ou indirectamente pela autarquia aos covilhanenses “impostos que oneram as famílias que vivem hoje com imensas dificuldades”, e a discrepância entre o orçamentado e o executado, que no caso das grandes opções do plano representa um desvio superior a 77% “errar mais de 50% é falta de rigor, é criar falsas expectativas”.

Nélson Silva da bancada do PS, que se absteve na votação, apresentou um gráfico com as contas do município da última década para chegar à conclusão que o actual modelo de crescimento económico “está esgotado” e está a revelar-se “incapaz de gerar novas oportunidades de trabalho”. Segundo o deputado socialista “exigem-se medidas e estratégias de apoio à alteração do paradigma de crescimento económico da Covilhã”.

Carlos Pinto aproveitou para responder ao PS e ao PCP de uma só vez recordando os discursos de campanha de ambos os partidos “anunciavam para amanhã o caos, as rupturas, as dificuldades, a paragem do investimento e diziam ainda que quem for para o poder não vai fazer nada”. O presidente da câmara da Covilhã conclui “não foram para o poder e continuaram a ver obra como continuam ainda hoje”.

A assembleia aprovou ainda por maioria as contas consolidadas da autarquia que juntam as contas da câmara municipal, ICOVI e Nova Covilhã. Juntas as três entidades têm um activo líquido de 334 milhões de euros e uma dívida de 87 milhões, sendo que é a autarquia que tem mais peso nesta equação (327 milhões de activo líquido e 84 milhões de dívida).


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados