RCB/TuneIn
Quinta, 13 Dez 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
DESPORTO
UNHAIS DA SERRA VOLTA A EMPATAR EM CASA
Foram pecados antigos numa das melhores exibi√ß√Ķes da √©poca at√© agora do Unhais da Serra. Uma equipa que em grandes per√≠odos do jogou dominou o seu advers√°rio dispondo de uma m√£o cheia de oportunidades de golo, para sair com um resultado diferente, que n√£o o empate a uma bola.
Por César Duarte Ferreira em 17 de Nov de 2008
O primeiro lance de perigo surgiu logo ao minutos dois, quando Patriarca, servido por Vaz Alves e em excelente posição atira ao lado da baliza do Caldas. Aos quinze é Quelhas que de longe visa a baliza de Marco Custódio com o remate a sair pouco por cima e aos vinte e nove é Carlitos que de cabeça permite ao guardião contrário a defesa da tarde. Na sequência deste lance, canto batido por Edgar Carvalho muita confusão na área do Caldas a bola ainda vai ao poste, sobra para Piguita que empurra para o interior da baliza. Estava desfeita a igualdade e um golo que premiava a equipa que mais o procurou.

O melhor que a equipa do Caldas conseguiu neste primeiro tempo foi enviar uma bola à barra na sequência de um livre directo.

Na segunda parte os primeiros minutos foram electrizantes. Logo ao minuto dois mais uma grande ocasião para o Unhais da Serra com Toni a atirar por cima, com tudo para fazer o golo, aos cinco minutos é Quelhas que chega ligeiramente atrasado a um cruzamento de Patriarca. Mas a resposta do Caldas não se fez esperar, minuto sete Fábio desmarca-se com rapidez, chega primeiro à bola que Paulo Valezim mas o chapéu sai por cima.

Após os primeiros minutos electrizantes, o encontro voltou a entrar numa toada desinteressante e mal jogada. E foi neste período que o Caldas chega ao golo por João Rodrigues que de cabeça e solto de marcação não facilitou. Estavam decorridos 38 minutos do segundo tempo. Um golo onde no lance anterior Piguita se lesionou, ficou fora de campo a receber assistência médica e depois ficou dois minutos à espera de entrar, porque o árbitro assim o entendeu apesar de terem existido várias interrupções no jogo.

Facto é, que o empate a uma bola foi o resultado final e que penaliza a perdulariedade dos avançados do Unhais que mais uma vez não conseguiram segurar uma vantagem. Foi assim com o Torres Novas, foi assim com o Sertanense e aconteceu também com o Caldas.

Quanto ao arbitro da partida que viajou desde Viseu Luís Caiado, estava a fazer uma excelente arbitragem até borrar a pintura com o lance do golo do Caldas, não pelo lance em si, mas por não ter permitido a entrada do Piguita, quando não existiam razões para tal.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados